holocene

Ouvindo incessantemente essa música, que a cada vez faz mais sentido.
Tentei achar uma imagem que desse uma noção boa do nome da música, mas o clipe oficial transmitiu lindamente essa idéia. Agora estou apaixonada pelo clipe também!

[edit]

Aproveitei e ouvi a música mais uma vez e, embora queira ficar um pouco mais reservada nesses tempos, eu sinto uma necessidade enorme de escrever.
Tive acontecimentos pesados nesses últimos 6 meses – foram encontros, desencontros, compromissos, reconciliações, rupturas. Todos os aspectos da minha vida foram revirados e eu tive que reorganizar cada um deles, às vezes jogando fora as coisas que não faziam mais sentido.

Ao me reconciliar com uma pessoa importante da minha vida eu finalmente percebi que para perdoar alguém é preciso olhar para você, lá dentro, e entender se o rancor ainda faz sentido e se você já está pronto para abrir mão daquela posição confortável que é ser vítima de alguém que te machucou tanto.
Implica também em ter maturidade o suficiente para entender que toda história tem três lados: o seu, o meu e o dos outros. Todo mundo erra e todo mundo acerta, isso compõe a nossa vida, e seria muita arrogância querer achar que só o nosso lado é válido.
Me corroer em rancor era me punir por algo que nem eu mesma entendia. Toda a história que cada um de nós carrega nas costas é apenas parte de algo muito maior. MUITO maior.

A música em questão só me ajudou a compreender e absorver essa idéia de que certas coisas acontecendo lá fora me afetaram e ainda irão me afetar, e não há muita coisa que eu possa fazer além de aceitar que eu serei responsável por como irei reagir a elas – será que vou me deixar completamente vulnerável? Será que, mesmo não querendo ser vulnerável, eu vou sofrer e vou ter que lidar com isso? Não sei. Não posso controlar tudo. E o que me deixa tão mais tranquila com essa falta de controle é que hoje eu posso dizer que não preciso me impressionar e muito menos ao outros. Eu posso levar algumas rasteiras por aí, posso ser machucada de novo, mas o que eu sou continuará aqui – melhorado. Já tenho perfeita noção do que sou e do que não sou e não preciso implorar para que me levem a sério.
E eu digo: já tive essa fase e foi horrível. Agora vivo mais em paz com as coisas que me cercam.

A onda ruim já passou e no fim levou muita coisa que não prestava em mim. Agora estou mais leve e pronta para ter outras experiências, outras alegrias e outras tristezas na vida. :)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s